Dirigir em Cuba – Havana, Varadero, Viñales, estradas e interior

É possível alugar um carro em Cuba para aproveitar melhor os dias no país. De qualquer forma, essa não é forma mais barata de conhecer o país.

Dirigir em Cuba requer atenção e um orçamento extra na sua viagem. O preço da locação e da gasolina são bem relevantes (como mostrei no custos das viagem – foram ~R$ 5,500 entre aluguel e gasolina para 16 dias) e passear pelas ruas da cidade e estradas requer muita atenção.

Abaixo tem uma lista de recomendações e dicas “genéricas” e depois a minha experiência em cada um dos trechos da minha viagem de 16 dias em Cuba.

  • Sempre viaje a luz do dia. Não há nenhuma iluminação e tem muita gente e animais na pista. Tem animais cruzando a pista, mesmo em rodovias grandes. Tem também charretes, tratores e o que mais imaginar
  • O preço da gasolina é padrão para turista
  • A sinalização é muito ruim
  • Poucos postos e, em um que parei, não tinha gasolina de turista e o frentista não quis me vender outra (ele só pode te vender se você estiver zerado).
  • Sempre encha o tanque antes de sair de uma cidade à outra.
  • A placa do seu carro alugado terá a letra T, indicando que você é turista. Cuba não é perigoso de maneira geral, mas tentarem te passar informações enviesadas é comum.
  • Outra coisa que parece comum é o assalto a pneus / rodas do carro.
  • As placas de proibido estacionar são azuis com a faixa vermelha
  • Nas estradas, as pessoas pedem carona mostrando dinheiro se oferecendo para rachar a viagem.
  • Pouquíssimos pedágios. Peguei apenas 2. Custou 2 CUC cada um.
  • A roteirização do GPS não funciona lá, é bloqueado. Então baixe o mapa no Google Maps antes de ir para Cuba, para se orientar ao caminhar ou dirigir pelas ruas.

Dirgir em Havana

Ruas do centro histórico de Havana, Cuba
Ruas do centro histórico de Havana, Cuba

De maneira geral, se seguisse a lógica, dirigir em Havana deveria ser fácil: os quarteirões são quadrados, a costa ajuda a orientar etc. Acontece que Cuba não segue exatamente a mesma lógica que a nossa.

Vamos às dicas:

  • Cuidado em todos os cruzamentos, nunca ache que você tem a preferência. Vale a lei do mais forte. Pedestre sempre vai parar para você. Sempre pare para um caminhão.
  • Estacionar é relativamente fácil e normalmente não precisa pagar. A não ser que tenha um cuidador. No centro histórico, só dá para estacionar nos arredores.
  • As ruas menores, normalmente só tem um sentido
  • Muitos cruzamentos não tem placas indicando o nome

Dirigir em Cuba – Viagem de Havana a Viñales

A viagem de maneira geral foi bem tranquila. Até Piñar del Rio, a estrada é larga (2 ou 3 faixas) e relativamente boa em relação ao alfalto. Depois, vira uma estrada de um faixa só e o último trecho é sinuoso, mas tranquilo.

Principalmente próximo aos vilarejos, espere muita carroça, muita bicicleta e muita gente andando pela rodovia. Além de uma condição de asfalto pior.

Na parte mais larga, andando da 110 km/h. Nas partes de uma faixa, 60-80km/h.

Abastecendo o carro em Cuba
Abastecendo o carro em Cuba

Dirigir em Cuba – Viñales a Cienfuegos

Buscando ver o interior de Cuba, peguei o caminho mais longo que o Google Maps mostrou (diz que era 17 min mais demorado que o que iria por Havana). Valeu a pena para ver os vilarejos, mas talvez tenha perdido mais que 17 minutos… Talvez 1 hora, na verdade.

Até próximo a Havana a estrada é larga e bem asfaltada. Quando peguei o caminho mais longo, virou uma estrada de uma só faixa, mas em ótimo estado. Consegui ir a 70 – 90km/h.

No trecho final desta rodovia mais longa, a estrada fica beeeem ruim. Em alguns lugares tendo que ir a 20k/h. Era uma estrada de asfalto muito deteriorada, o que é muito pior que uma estrada de terra, pois os buracos podem furar pneus ou arrebentar suspensões.

Alguns trechos com bastaaaante gente e carroças, principalmente quando pasaa nos vilarejos… Nas áreas urbanas a velocidade é 40km/h, pela movimentação e também pela qualidade do asfalto.

Depois, de volta a grande rodovia, indo a 110km/h. No trecho final (local, de uma só faixa), tudo muito bom, indo a 70-90km/h também.

De Cienfuegos a Trinidad

Este trecho foi muito muito tranquilo. A maior parte da estrada está em excelentes condições e dá para ir tranquilamente na velocidade máxima da via.

Pista única novamente e com algumas charretes e bicicletas.

De Trinidad a Camaguey

Ruas de Trinidad em Cuba
Ruas de Trinidad em Cuba

Este trecho também foi bem tranquilo. A estrada é sempre em pista única e está um pouco deteriorada, mas nada de grandes buracos nem nada. Os problemas deste trecho para mim foram 2:

  1. Bastante caminhão, por ser a rota que liga o país de leste a oeste. É a mesma que peguei no trecho de Havana a Piñar del Rio, porém ela é larga apenas até o meio do país.
  2. Bastante charretes. A soma de pista única, mais caminhão, mais charrete me fez ficar 10 minutos andando a menos de 30 km/h.

No geral, é possível andar no máximo da via, 90km/h (ou até mais), exceto nos trechos urbanos e quando surgem caminhões e charretes!

De Camaguey a Cayo Coco

O caminho seguiu o padrão de pista única, deteriorada mas sem grandes buracos, com algumas carroças, bicicletas e cidadezinhas no caminho. A parte mais importante foi realmente a falta de sinalização. Para me guiar, sempre busquei a rota no Google Maps e fui acompanhando no mapa (já que como GPS não funciona em Cuba).

A rota indicada pelo Maps mostrava uma estrada de terra e não tinha sinalização. Como vi que tinha uma outra rua na frente e não tinha pego nenhuma estrada de terra, segui adiante. Como imaginei, era asfaltada, mas ainda sem sinalização…

Para fazer desta história algo mais curto, por falta de sinalização e esquisitises na rota do Google Maps, errei o caminho duas vezes e atrasei mais de 1 hora a rota planejada.

A principal dica é procurar por placas de JARDINES DEL REY e não por Cayo Coco. Das poucas placas que tinha, quase nenhuma citava Cayo Coco, e sim Jardines del Rey, que fica em Cayo Coco.

A sinalização é realmente péssima, controle pelo Google Maps o tempo todo.

A parte mais legal é cruzar o mar do Cabibe até o Cayo. Quilômetros em pista única com mar por todos os lados. Paisagem única e incrível! 🙂

Dentro do Cayo Coco até Cayo Guillermo e Playa Pilar

No geral as estradas dentro do cayo seguem o mesmo padrão de qualidade do resto de Cuba. Talvez um pouco melhor, com duas diferenças importantes. São beeeem mais vazias (poucos carros e nenhuma charrete, mas ainda alguns animais) e melhor sinalizadas – isso não quer dizer que seja bem sinalizado.

De Cayo Coco a Santa Clara

Do cayo até a primeira cidade na ilha de Cuba, Morón, a estrada vai bem tranquila (e é só o caminho contrário da rota que fiz para chegar ali). A partir de Morón, peguei a estrada que ia a oeste e passava por Remédios.

O padrão volta a ser o que venho repetindo, mas um pouco melhor sinalizado que média – mas ainda insuficiente.

Incrível estrada entre a grande Ilha e Cayo Coco, Cuba
Incrível estrada entre a grande Ilha e Cayo Coco, Cuba

De Santa Clara a Varadero

Desde Santa Clara já se pega a Carretera Central e segui nela até Cadenas. Como sempre, um pouco deteriorada, muitas pequenas cidades, algumas charretes e é isso.

Depois, as placas para Varadero começam a aparecer e quando você chega à península o cenário vai mudando. Reduz-se a quantidade dos cubanos, a rodovia fica pista dupla e por fim começam a aparecer os resorts. Bem por ali, tudo bem sinalizado… muito fácil achar qualquer Resort.

De Varadero a Havana

Certamente dos melhores trechos para dirigir em Cuba. Estrada em pista dupla, com bom asfalto e com poucas surpresas (tipo charretes) na estrada.

Como sempre, sinalização muito ruim. Para piorar um pouco, próximo a Havana e estavam construindo uma passarela e simplesmente fecharam a estrada sem indicar o caminho alternativo. Fui seguindo uns taxis e carros locais até que consegui me localizar e guiar sozinho pelo Google Maps. Ufa… hehe

Sendo parado pela polícia na estrada = /

Passei por duas situações em que fui parado na estrada. Em uma delas, é uma parada obrigatória de quem vai para Cayo Coco. Registram seu carro, os passaportes dos integrantes e pronto. Muito tranquilo, enquanto rolava o processo, eu convesava sobre futebol com os policiais.

A outra, foi um pouco mais tensa…

Estava dirigindo pela estrada (carretera nacional) e vi um policial acenando no acostamento. Parei.

Procedimento padrão: documento do carro, documento dos passageiros. Perguntou de onde éramos, para onde estávamos indo, quanto tempo ficaríamos.

Quando achei que tudo já tinha acabo ele peguntou:

– Em que trabalha no Brasil?
– Eu sou gerente de produtos de uma empresa no Brasil. – respondi.
– Eu sou gerente de projetos de tecnologia – respondeu minha esposa.

Ele olhou bem para os dois e disse:

– E eu sou policial em Cuba! – Dando um belo de um sorriso e desejando boa viagem! 🙂

 

Mais sobre esta viagem...

Homero Carmona

Blogueiro desde 2008, ano em que fez seu primeiro intercâmbio e começou a viajar por aí! Atualmente coleciona mais de 40 países no seu passaporte e sonha conhecer todos os 200 e poucos por este mudão a fora... Seu hobby é fazer com que mais gente viaje, todo dia, cada dia mais!

Viaje mais...

...continue viajando!